abril 2009


117p

Para ler o episódio, clique aqui.

Para baixar o .pdf, clique aqui.

Esse já é o antepenúltimo episódio da primeira temporada do Em Família! Como passou rápido! Bom, antes de continuar, vou deixar esse discurso de saudades para o Ed e a Polly, no último episódio.
No episódio anterior, eu sei que vocês se chocaram com a situação do Carlos e esperam muitas respostas, mas esperem mais um pouco! Nesse episódio, teremos o Natal dos Andrades, como o título pode sugerir. Vocês já sabem que podem esperar MUITA confusão, por mais Sessão da Tarde que isso soe.
As coisas começam a se definir para encerrar esse ciclo e começar um novo. Digamos que é o começo do fim. Os personagens estão em Dezembro, nós quase em Maio. A história deles começou em Março, a nossa em Outubro. Isso dá 10 meses de história para o Em Família. Dentro e fora do mundo dos Andrades. Raramente esse tempo vai coincidir novamente. Portanto, isso é um fato interessante.
Acompanhem mais esse episódio dos Andrades e aguarde por Fevereiro, na vida deles, ou fim de Maio, na nossa.

Rodrigo Andrade

Sneak 2:

Sara: Falando em irmãozinho, e o Tomás, hein? Está tão distante e estranho. E agora essas dores…

Carlos: Realmente. Ele precisa distrair um pouco, ver novas paisagens. Deixar de focar o pensamento na Vitória e na Andanças um pouco. Acidentes acontecem.

Os dois percebem um jogo de vôlei à distância e têm a mesma idéia. Entreolham-se e sorriem.

Sara: Ótima idéia!

Carlos: Demais! A gente só tem que falar com os outros. Eu fico com a Carol e o Sérgio. A mamãe é sua. – Ele sorri.

Sara: Tá, eu falo com a mamãe e o Júnior, ele chega amanhã, né? – Ela olha para ele com desprezo e depois bate a mão com o irmão. Operação Tomás Andrade iniciada!

Sneak 3:

Gabriel: Larissa, vem cá, deixa eu te mostrar um negócio. – Ele pega a mão da menina e a puxa para dentro.

Sara: Não vai mostrar nada! A gente tem que ir comendo. O Dudu e a Rafa tão morrendo de sono. Mãe, cadê a comida?

Nora: Está pronta, filha. Só estou esperando o Saulo com a vó de vocês. – A campainha toca. Júnior e Rebeca se entreolham. – Olha só, é ele. Podem ir sentando a mesa. – Todos vão para a sala de jantar, com exceção de Nora, que vai atender a porta, com frio na barriga.

Saulo: Boa noite, Nora.

Vera: Desculpa pela demora. Espero que não tenham começado sem nós. – Ela sorri e estende a mão para a anfitriã.

Sinopse: É natal na casa dos Andrades e Nora organiza uma grande festa. Tomás continua sentindo dores e seus irmãos tentam ajudá-lo. Um clima estranho se instaura entre os casais Carlos e Sérgio, e Carol e Roberto. Nora busca dar uma chance ao irmão, e Rebeca, à mãe. Sara e seus filhos convivem com a ausência de Fernando.

Sneak 1:

Rebeca entra no banheiro e tira o celular da bolsa.

Júnior: Alô?

Rebeca: Oi, Jú. Rebeca.

Júnior: Oi, tudo bem?

Rebeca: Por enquanto sim.

Júnior: Como assim?

Rebeca: Deu a louca na sua mãe e ela convidou a minha para o Natal.

Júnior: Isso não é possível.

Rebeca: Mas aconteceu. Minha mãe estava escolhendo a roupa dela hoje. Agora, imagina qual vai ser a reação de todos.

Júnior: Bem-vindos à Terceira Guerra Mundial.

Rebeca: Você tem que falar com ela.

Júnior: Tentarei, mas ela é cabeça-dura.

Rebeca: Pelo menos, eu e você estaremos preparados.

Júnior: Que venha.

Ambos desligam e Rebeca retorna à mesa em que estava sentada com sua mãe.

116p1

Para ler o episódio, clique aqui.

Para baixar o .pdf, clique aqui.

Filipe: Sam, eu adorei escrever o 1.16 com você!!! Você é muito metódica!

Samara: Espero que isso tenha sido um elogio… – os dois riem – Eu também adorei escrever com você! Você é tão…

Filipe: Eu sei… eu atrasei um pouco – ri.

Samara: Não! Você entregou a tempo! A pressão foi tudo intriga da oposição.

Samara e Filipe: Rá! – dizem rindo.

Filipe: O que você achou mais difícil de escrever? Pra mim foi o Carlos e o Sérgio…

Samara: A discussão?

Filipe: É.

Samara: Imagino. E o que o Carlos faz com o Sérgio?! Nossa, eu ficaria… Tá, eu não sei qual seria a minha reação, mas seria algo do tipo “Ah!”. – ela faz caras e bocas.

Filipe: Total. Mas o Sérgio… sinceramente. – Samara concorda com a cabeça.

Samara: Coincidência a gente fazer dupla num episódio que Sara e Carlos são destaques.

Filipe: Verdade… Sara, sua personagem, Carlos, meu personagem… Tudo conspirou a favor.

Samara: E como Sara e Carlos, a gente pensa parecido… Estávamos em sintonia quando escrevemos, adorei as cenas escritas em duas mãos.

Filipe: Verdade, houve uma dinâmica legal. Ah, eu adorei o texto da Nora… Aliás, a Nora “online” está no ponto!

Samara: A crônica da Nora foi mesmo um desafio… Ainda mais depois do belo texto do 1.14. A Sara também sempre é, embora eu ame escrever pra ela, em alguns momentos é difícil, é muita carga emocional, eu me envolvo bastante, daí… Além do mais, eu tenho que me controlar com ela.

Filipe: Eu também! As cenas dela vão saindo! Prontas!

Samara: A Carol também me vem assim de vez em quando… Já a Nora eu acho difícil de escrever.

Filipe: Você teria coragem de fazer que nem a Nora? Montar um blog e postar seus textos lá?

Samara: Como é que é?

Filipe: É! Tipo ela, mesmo. Não precisa ser crônica, mas pode ser, sei lá, uma história…

Samara: Uma história?!

Filipe: É! – empolga-se.

Samara: E o que a gente faz aqui, Lipe?

Filipe faz uma cara pensativa.

Filipe: Ahm!!!

Samara: Dããã!

Filipe e Samara Andrade

Perdão por não ter publicado ontem a sinopse e uma das sneaks do 1.16

Logo, colocarei tudo hoje.

Sinopse: Carlos ganha um jantar de aniversário agitado e acaba passando dos limites no final. Sara reafirma sua separação de Fernando enquanto Vitória volta a ter controle sobre sua vida, desconcertando Tomás.

Sneak 1:

Carol: Shiiiii! – Carol fazia sinal de silêncio para Sara e Tomás, enquanto os três adentravam cuidadosamente o apartamento de Carlos.

Tomás: Agora você pede silêncio – sussurra – Se depois do seu escândalo por causa da chave, ele não acordou, ele não acorda mais com nada.

Carol: Culpa sua. Sua única função aqui era conseguir a bendita chave, mas parece que eu tenho que resolver tudo sozinha.

Sara: Silêncio os dois! – fala baixo chamando a atenção dos irmãos para a porta do quarto que estava aberta –Vamos?

Os três, devidamente equipados com seus acessórios surpresas, entram no quarto.

Sara, Tomás e Carol: Feliz aniversário! – os três gritam ao mesmo tempo, fazendo algazarra com seus objetos coloridos e barulhentos, mas logo se calam chocados com o que vêem.

Sneak 2:

Carlos: Isso é seu?

Pâmela: Não. Seu “namorado” deixou aí. Pediu que eu vigiasse.

Carlos abre um largo sorriso.

Carlos: E você estava vigiando?

Pâmela: Eu teria jogado fora mas queria saber o que tinha aí dentro. Eu não abri porque senão você ficaria chateado.

Carlos: Bem, obrigado – Carlos faz menção de abaixar para pegar o presente, mas Pâmela o impede.

Pâmela: Deixa que eu pego – Então ela se inclina lenta e sedutora e pega o pacotinho. Ela demora bastante nessa posição e depois se ergue e entrega o pacotinho para Carlos.

Carlos: Obrigado.

Pâmela: Não há de quê, meu bem. Não há de quê. Vamos, abra!

Ele coloca a pasta no chão e abre o pacotinho. Era um relógio. E era caro.

Pâmela: Que relógio horroroso! Cafooona… Espera só até você ver o que eu comprei para você! Mas é surpresa!!! Boa noite!

Carlos: Boa… noite – Pâmela volta para seu apartamento e fecha a porta com uma piscadela, mas Carlos continua ali, parado. Ele olha uma segunda vez para a tampa da caixinha e percebe um recado:

O primeiro de muitos! Você não perde por esperar.

Conte os minutos.

Muitos anos de vida…

Sérgio

Sneak 3:

Sara: Na maioria das vezes não parece que ele saiu de casa. Ele tá todo dia aqui… por causa dos meninos. Diz ele que não consegue ficar muito tempo longe deles.

Carol: Você também não conseguiria.

Sara: É…

Carol: Nossa! É difícil de acreditar, você e o Nando…

Sara: Pois é… – Sara não se sente confortável.

Carol: Quer falar sobre isso?

Sara: Não… Você sabe que não faz meu estilo ficar remoendo… Ainda mais que tornam as coisas mais… reais.

Carol: Mas é real! – Sara permanece em silêncio.