dezembro 2009


Para ler o episódio, clique aqui.

Para baixar o .pdf, clique aqui.

Sempre que vamos fazer algo pela primeira vez, é inevitável o frio na barriga e os pensamentos do que virá a acontecer. O momento, a conseqüência dos atos, os sentimentos…

Eu posso dizer que em pouco mais de um ano de ‘Em Família’, e sendo esse o meu sexto episódio escrito, foi a primeira vez eu me diverti horrores escrevendo. Espero que vocês me mostrem as conseqüências disso!

Boa leitura, queridos leitores.

Edízio Andrade

: Sara se distrai quanto ao remédio de Rafaela, causando um conflito com Fernando, que abala Gabriel, que se consola com Larissa, que presencia uma briga de Roberto e Carol, que tomou uma atitude rápida na sua vida. Júnior recebe uma boa notícia. Já Rebeca descobre certas verdades que preferia não ver. E Nora recebe um convite para um encontro.

SNEAK 1


Carlos: Jantar? – diz, ao celular, entrando no apartamento.

Carol: Aham. Com o responsável pelo livro.

Carlos: O Emerson?

Carol: Não sei… Acho que é esse o nome.

Carlos: Dona Nora, hein? Se bem que já estava na hora de ela ter um namorado…

Carol: Como assim? Achei que você fosse ligar para ela agora e dar um piti!

Carlos: Eu não sou machista e não me chamo Tomás Andrade, ok?

A campainha toca.

Carlos: Ei… a campainha está tocando. Vou atender lá e desligar aqui. Beijo.

Carol: Beijo!

Carlos atende a campainha e é Pâmela, que entra com pizza, vinho e um jornal.

Carlos: A pizza e o jornal fazem parte de uma metáfora sobre a política do Brasil?

Pâmela: Não. A pizza eu comprei mais cedo para um carinha que conheci, mas levei o bolo; O vinho, bem… você imagina. E o jornal é para você, tem uma matéria que você vai gostar de ler.

Pâmela entrega o jornal para Carlos.

Pâmela: Caderno de futilidades, digo, da Sociedade Carioca. Página 3.

Carlos: O Restaurante Le Petit Marceau, da minha amiga Cláudia Bordi Villaça, é a mais nova sensação do Rio. Bom ambiente, ótima localização, excelente música. Mas é o cardápio do chef Sérgio Bragança que faz a diferença. Parabéns e sucesso. – lê a nota no jornal.

Pâmela: É o restaurante do Sérgio, né?

Carlos: É… – diz, olhando para o jornal.

Pâmela: Mas duvido que ele saiba fazer uma pizza tão boa quanto essa. Anda, vamos comer. – toma o jornal da mão de Carlos.

Carlos: Vamos…

SNEAK 2

Passava do meio-dia. Sara estava com Tomás, resolvendo alguns problemas, quando o celular toca.

Sara: Oi filho.

Gabriel: Mãe, eu não consigo encontrar a insulina da Rafa. Já passou da hora dela tomar.

Sara: Já olhou na farmacinha?

Gabriel: Acabou. Você não comprou?

Sara: Ai meu Deus…

Gabriel: A Rafa ta suando muito…

Sara: Eu estou indo aí, filho. Agüenta as pontas.

Sara desliga e Tomás se preocupa.

Tomás: O que foi?

Sara: A Rafa… não tem o remédio dela… – diz, levantando rápido e saindo correndo da sala.

Tomás: Dirige com calma! – grita, alertando a irmã.

SNEAK 3

Tomás decidiu ficar mais tempo na Andanças para adiantar suas pendências. Só não esperava que fosse ter companhia, ao ouvir batidas na sua porta. Ele estranha, mas vai abrir.

Tomás: Você? – espanta-se.

Lavínia: Eu mesma! – diz, entrando na sala.

Tomás: Quem te deixou entrar?

Lavínia: Já Conheço todos seus funcionários. O que ficou por último hoje é até bonitinho.

Tomás: Fique com ele, então.

Lavínia: Nãããão.. – vira-se – Eu quero você. – avança para cima de Tomás, que desvia.

Tomás: Pelo amor de Deus, quantas vezes eu vou ter que dizer que eu sou casado?

Lavínia: Quantas forem precisas para tornar isso mais excitante.

Lavínia tira a blusa, ficando só de sutiã, deixando Tomás hipnotizado pelo seu corpo perfeito. Ela se aproxima dele.

Para ler o episódio, clique aqui.

Para fazer o download em .pdf, clique aqui.

Pares ímpares. Opostos que se atraem. Diferentemente iguais. Contradição complementar. O que há de mágico na convivência é saber lidar com as diferenças. Fazer delas pontes, não obstáculos.

Numa família, onde as semelhanças gritam em cada linha de expressão do rosto, as diferenças detonam verdadeiras bombas. E nem sempre é fácil sobreviver a essas guerras cotidianas.

Os Andrades, vocês sabem, vivem em pé de guerra, mas vivem procurando juntar toda a família. O objetivo é manterem-se unidos, embora as bombas continuem a estourar a cada reunião andradiana.  Isso é o que acontece nesse novo episódio, mas também grandes atitudes são tomadas e elas fazem toda a diferença. No final fica uma certeza: “os opostos se distraem, os dispostos se atraem”.

Poliana e Samara Andrade.

SNEAK PEEK 02

Carol escutava calada enquanto Horácio distribuía as matérias que cada um faria, Karina fica com a onda de assaltos a edifícios. Rafael fica com a matéria sobre o combate a dengue, aproveitando o alto índice de chuvas que a meteorologia previa para o final do ano e todas as outras reportagens importantes foram sendo entregues.

Horácio: Carol, você fica com as pequenas notas.

Carol concorda com a cabeça, resignada com sua situação. Ela tentou se adaptar à nova editoria, mas eles pareciam sempre mantê-la com os trabalhos desinteressantes. Esperou a reunião terminar e foi conversar com seu editor.

Carol: Horácio, eu posso falar com você?

Horácio: Claro, algum problema?

Carol: Eu gostaria de receber matérias mais estimulantes para fazer. Eu escrevia para a editoria de política do jornal, sou capaz de escrever matérias mais importantes.

Horácio: Esse é o problema. Você esqueceu que não está mais em Política, mas em Cidades. O caderno mais popular do jornal. Precisa se adaptar à nova função. – ele vai saindo quando se lembra de mais um detalhe – O Aroldo faltou, hoje você fica responsável pelos obituários de hoje, não tem problema, não é?

Carol: Imagina. – ela responde e vai resmungando até sua mesa.

SNEAK PEEK 03

Tomás, Carlos e Júnior estavam sentados em volta da mesa de reuniões. Sara estava em pé de frente para eles.

Júnior: Isso está parecendo uma intervenção, e como a única pessoa que falta é a Carol, ela é a vítima da vez.

Sara: Nós estamos aqui para decidir o que fazer com essa briga entre mamãe e Carol. Essa situação já foi longe demais.

Júnior: Sabia… essa família nunca muda. Fizeram a mesma coisa no meu aniversário, quando tio Saulo começou a namorar a Vera, quando descobriram a traição do papai.

Carlos: Quando você e Tomás estavam brigados…

Tomás: Não precisa lembrar disso, já é passado.

Júnior: E nem adiantou nada, fizemos as pazes sem vocês.

Sara: Vocês três, prestem atenção. – ela espera ter a atenção dos três e explica sua idéia – Pensei que podia marcar uma reunião aqui na livraria.

Tomás: Aqui? Não, de jeito nenhum. Elas vão começar a discutir…

Sara: É um lugar neutro. Podemos falar que elas precisam assinar um papéis para a livraria, como herdeiras.

Carlos: E trancamos as duas em um escritório?

Sara: Não tinha pensado nisso, boa idéia Carlos. – ela sorri para o irmão.

Sinopse: Os irmãos armam uma para Carol e Nora se reaproximarem. Sara fecha e inicia novos ciclos em sua vida. Carol continua sendo perseguida no trabalho e resolve se dedicar a uma atividade paralela. Novidades no caso Lumni movimentam a Barbosa & Lima. Vitória resolve fazer uma surpresa a Tomás e pede ajuda as cunhadas. E a Quatro Estações dá os primeiros passos no mercado editorial.

SNEAK PEEK 01

Saulo e Vera estavam em seu escritório, cada qual em sua mesa, fingindo fazerem algo, até Saulo resolver tocar no ponto que os preocupavam.

Saulo: As coisas andam calmas demais por aqui.

Vera: Aparentemente não existem tantos escritores querendo publicar livros.

Saulo: É normal, estamos apenas começando. Por isso, devíamos focar mais no editorial de revistas.

Vera: É… Só temos a da Papier-Andanças

Saulo: Veja, a Liga Comunicação, uma agência de assessoria de um conhecido meu, está procurando uma nova editora para publicar as revistas das empresas que assessoram. A que eles estão cobra preços exorbitantes por um trabalho fulo. Acredito que se chegarmos com uma proposta viável, conseguimos. Eles cuidam de duas revistas de Arquitetura, uma de uma indústria de Alimentos e mais três de cidades do interior, sabe, fazendo a linha coluna social. Já é bastante coisa.

Vera: Pode ser interessante.

Saulo: E rentável, que é o que mais precisamos agora, até pra investir em projetos futuros.

Vera: Na literatura.

Saulo: Exato. E, bem, também precisamos, agora de imediato, sustentar o caixa da Quatro Estações. Vamos viabilizar isso?

Vera: Certo… mas como?

Saulo: Vem cá que eu te explico, e você me ajuda a elaborar o projeto.