Miniepisódio 01 – Entreatos

Sinopse: Uma equipe de filmagem, comandada por Lílian, acompanha o dia-a-dia da campanha de Roberto Pelegrini.

 

01. INTERNA – DIA – COMITÊ ROBERTO PELEGRINI

 

Era oficial. A candidatura de Roberto Pelegrini ao governo do Rio de Janeiro já havia sido registrada no Tribunal Eleitoral. O local escolhido para ser sede do comitê central se encontrava naquele momento amontoado de caixas, esperando serem abertas e organizadas. E de computadores, mesas e cadeiras para serem posicionados.

 

Tudo ainda estava muito no início quando Lílian chegou acompanhada de câmeras e anunciou formalmente seu objetivo. A idéia era capturar imagens de bastidores e realizar entrevistas que fariam parte de futuras propagandas políticas e, mais futuramente ainda, de um possível making off ou documentário.

 

Ernesto: Nosso Entreatos – brinca Ernesto Paiva, chefe da campanha, após o anuncio de Lílian.

 

Gregório: É esse o espírito – responde Gregório Campos, o cameraman.

 

Lílian: Menos, menos. E vamos ao trabalho!

 

 

02. INTERNA – DIA – COMITÊ ROBERTO PELEGRINI

 

Alguns dias depois, boa parte da equipe estava reunida em volta do recém chegado material de campanha. Pôsteres, santinhos, camisas, adesivos e afins se espalhavam pelas mesas. Lilian também estava por lá, fazendo as primeiras gravações.

 

Ernesto: Vocês deviam fazer máscaras do Roberto – brinca, dirigindo-se a Tibério Santos, marqueteiro e responsável pela publicidade.

 

Tibério: Pensamos nisso. Faríamos sucesso com a mulherada – fala, colocando em frente ao seu rosto um cartaz com a foto de Roberto e o slogan: Uma nova cara para o Rio.

 

Taís: Ele aprovou esse slogan? – pergunta Taís Ramos, a assessora de imprensa.

 

Ernesto: Teve que aprovar. Sintetiza nossa proposta de mudança.

 

Tibério: E faz uma alusão a sua aparência.

 

Barbara: E que aparência! – brinca, fazendo as pessoas rirem.

 

Tibério: Não falei? Robertão, o candidato bonitão. Também seria um bom slogan. – diverte-se.

 

Ernesto: Nem brinca. Ele fica puto quando focam só na sua imagem.

 

Jeferson: Falsa modéstia – o diretor financeiro cruza a sala e solta uma indireta – Precisamos de um estagiário. Nem que seja só para separar e organizar todo esse material. – fala em tom reprovador, fitando a pequena bagunça do lugar.

 

Ernesto: Estamos cuidando disso.

 

Carla: E não esqueça meu auxiliar! – grita de longe, Carla Silva, Redatora-chefe e consultora política.

 

Ernesto faz sinal de ok e de sentinela.

 

03. INTERNA – DIA – COMITÊ ROBERTO PELEGRINI

 

Os novos estagiários

 

Era isso que tinha escrito no bloco de papel que Lílian carregava sempre consigo para pontuar as gravações.

 

Ernesto: Este é o grande Rubens Coelho – fala, apontando para um garoto franzino, no canto da sala – Ele está no partido há quase um ano. Era uma mistura de faz-tudo e consultor juvenil e agora acaba de ser promovido a estagiário político-administrativo/assessor especial, o que dá na mesma – brinca.

 

Gregório: Ou seja, ele era nada e agora é porra nenhuma – solta uma piada por trás da câmera, fazendo as pessoas rirem, mas Lílian lhe lança um olhar de censura.

 

Ernesto ri, mas desmente Gregório.

 

Ernesto: Não, ele tem grande valor pra equipe. Vai trabalhar mais próximo de mim, do Antonio (Alencar, principal estrategista político), do Jeferson e principalmente do Roberto, além de auxiliar os demais por aqui, fazendo uma ponte conosco, ou seja, ele é um cara que levará vocês até nós. – brinca – Fala mais de você ai para câmera, rapaz.

Rubens se aproxima, cheio de determinação.

 

Rubens: Bom, recém completei 21 anos, estou no sexto semestre de ciências políticas e um dia pretendo ser um Ernesto Paiva – fala, bem humorado.

 

Ernesto: Sempre gostei desse garoto – brinca, e vira-se para Carla – Sua vez, Carlinha, anuncia seu pupilo.

 

Carla: Este é o Hélio, 22 anos, formado em jornalismo e cursando Direito, certo? – Ele confirma com a cabeça – Abandonou o estágio no Estadão porque acha que aqui vai escrever discursos, mas, como eu, há anos, só vai fazer revisões e pesquisas para dar subsídio ao Pelegrini, que insiste em escrever a maioria de seus discursos e, pior, sempre ficam bons. – olha para Lílian e adverte – Mas não grava isso, se não, nunca mais arranjo emprego em lugar nenhum. – finaliza, fazendo um gesto para que Hélio tome a palavra.

Sem jeito, quando a câmera foca nele, ele gagueja um pouco e só começa a falar mesmo depois dos gritos de “Fala, Hélio”, das pessoas em volta.

Hélio: É isso que a Carla falou… Se eu conseguir emplacar uma linha no discurso de pose, já me dou por satisfeito.

Carla: Viu? Já pegou a dinâmica – brinca.

 

 

04. INTERNA – DIA – COMITÊ ROBERTO PELEGRINI

Taís Ramos desliga o telefone e faz o sinal da cruz. Gregório com sua câmera dá um close nela.

Taís: Se eu tiver que explicar a mais um jornalista que a Carol não está grávida ou porque ela escolheu casar de dia, alguém me mata? De repente toda a campanha se resume a esse casório.

Carla: Era de se esperar.

Taís: Você vai escrever os votos? – Carla olha esquisito para ela – Ué, acabaram de me perguntar sobre isso, tenho que mandar um release daqui a meia hora.

Carla: Só o Hélio pode responder essa questão.

Todos olham para ele, confusos.

Hélio: Não terá votos. Não em público – os olhares se intensificam – Foi o que ele me disse. – diz, levando as mãos pro ar, em sinal de rendido.

Rubens: Já tá íntimo assim do boss?

Hélio: Não, eu só perguntei se ele precisava de algo a respeito do casamento. A Carla que pediu para eu fazer isso.

Carla: Foi. Era um trote – as pessoas riem – Daí Roberto disse que cuidava disso pessoalmente e só a Carol precisava saber dos detalhes. Hélio quase morreu de vergonha. Tive até pena.

Rubens: Mulher cruel.

Naquele instante, Ernesto cruza a sala com um walktalk em mãos.

Ernesto: Temos o apoio do Chico. Antonio acaba de me dizer.

Rubens: Anysio? – Ninguém ri e deixa o rapaz no vácuo – Era para ser uma piada.

Carla: Notamos, só não teve graça – agora sim, as pessoas riem.

Ernesto: O Buarque, claro.

Bárbara: E a campanha fica cada vez mais linda.

Taís: E agora vão começar a me perguntar se ele vai tocar na festa.

Carla: Chama ele pra tocar na festa! – diz, animada.

Ernesto: Estou achando que tem mulher demais nessa campanha – brinca.

05. INTERNA – NOITE – COMITÊ ROBERTO PELEGRINI

 

Tibério, Jeferson, Carla, Antonio e Ernesto estavam tendo uma reunião estratégica numa sala reservada. Lílian não estava por lá, mas Gregório estava a postos.

Jeferson: Mas o trunfo dele é ter ao mesmo tempo esse apelo popular e um ar requintado.

Carla: Ar requintado – repete, dando um risinho de deboche.

Jeferson: O que eu quero dizer é que ele é popular, mas também é bem quisto nas classes superiores, ele tem uma boa formação, uma boa aparência…

Ernesto: Boa aparência, lá vamos nós de novo… Temos que virar esse disco.

Tibério: Não, é um trunfo. E é uma realidade, não podemos negar.

Carla concorda com a cabeça.

Antonio: Vamos às questões políticas. Segurança pública é um ponto sensível. – fala, apontando para um mural cheio de tópicos.

Ernesto: Ele quer continuar como prioridade.

Antonio: Ele tem que continuar.

Carla: Tem a questão do sequestro da filha, não podemos forçar muito a barra.

Jeferson: Nem deixar escapar que ele desistiu da CPI – fala num tom baixo, encara a câmera de canto de olho – É necessário isso mesmo? – fala, apontando com a cabeça para Gregório.

Ernesto: É da equipe da Lílian, tem o aval.

Jeferson: Tudo bem, cara, mas… – dá de ombros, desconfiado.

Antonio: Mas ele desistiu – continua o assunto – O lance é abordar e dar outra vertente pro caso.

Carla: E saber qual vai ser a saída quando o assunto vier à tona em debates e entrevistas.

Jeferson: Desviar, claro.

Tibério: Não, vai parecer uma fraqueza, falta de posicionamento…

Jeferson: Certo, mas, desculpa, não acho que seja uma questão de marketagem – corta, ríspido.

Tibério: Marquetagem? – fala, chateado – É total uma questão marketing político sim.

Ernesto: Evidentemente.

Carla: Tudo é imagem.

Antonio: Não tem como ignorar.

Jeferson: Olhem, ninguém melhor que ele sabe que a luta contra o tráfico de drogas, por mais eficiente que seja, é uma luta perdida. Se levarmos…

Ernesto: Você não pode afirmar isso por ele – corta.

Tibério: E devemos só cruzar os braços?

Jeferson: Não é isso que eu estou dizendo – impacienta-se.

Carla: Você não quer que a gente chegue em rede nacional e anuncie que a luta contra o tráfico é uma luta perdida, né?

Antonio: É um tópico que obviamente vai ser abordado. Temos um plano de governo para isso.

Ernesto: Plano de governo. Ótimo tópico. Temos um esboço, e o Roberto quer agilidade nisso. Quer apresentá-lo no início da campanha.

Jerferson: Certo, mas, a questão não é essa, o que eu quero dizer é que se dermos pano para manga, os adversários vão cair em cima do lance da CPI e isso… – insinua que vai falar algo, mas olha para câmera e detém-se – Precisamos discutir isso em privacidade. Por favor – com um gesto, ele pede que Gregório se retire.

Tibério: Ele é de confiança.

Jeferson: De confiança? Nesse meio ninguém é de confiança. Nem eu sou – fala um pouco alterado – Essas fitas podem vazar e estaremos ferrados.

Tibério: Elas ficam com a Lílian.

Jeferson: Isso não garante nada. Tem que ter um limite. Por favor – pressiona.

Antonio: É… – concorda, mas sem muita ênfase.

Jeferson olha atravessado para Ernesto.

Ernesto: Gregório, pode nos dar licença, por favor?

Jeferson: Desculpa, não é nada pessoal.

Gregório: Tudo bem.

E o cameraman deixa o recinto. Sua última imagem capturada foi a de Carla fechando a porta na sua cara.

 

06. INTERNA – NOITE – COMITÊ ROBERTO PELEGRINI

 

Lilian resolve ter um momento reservado de gravação com cada membro da equipe e pede que resumam suas opiniões sobre Roberto em poucas palavras.

 

Rubens Coelho, Estagiário e assessor especial.

 

Rubens: É um grande sujeito. Uma esperança para o Rio.

 

 

Jeferson Fonseca, Diretor financeiro e consultor político.

 

Jeferson está levemente impaciente, mas se dava bem com uma câmera.

 

Jeferson: Um homem de ideais – fala, depois de avaliar bem as palavras.

 

 

Taís Ramos, Assessora de imprensa.

 

Taís arruma o cabelo e checa a maquiagem antes de começar.

 

Taís: Posso ir? – pergunta a Lílian que confirma com o polegar com o sinal de positivo – Roberto Pelegrini é um grande homem, honesto e comprometido, um grande exemplo.

 

 

Tibério Santos, Marqueteiro.

 

Tibério: O homem do povo, o nome do futuro.

 

Lílian: Não precisa transformar tudo em slogan – brinca.

 

 

Carla Silva, Redatora-chefe e consultora política.

 

Carla: Um exemplo de político, um líder nato. Um cara que quer fazer a diferença e se empenha nisso. Sinto orgulho de fazer parte de tudo isso.

 

 

Hélio Araujo, Redator jr.

 

Hélio: Tem que olhar para câmera? – pergunta, desconfortável.

 

Lílian: Fica à vontade…

 

Hélio se mexe na cadeira, olha para os lados, abaixa a cabeça, nervoso.

 

Lílian: Quando quiser – fala depois de um longo silêncio

 

Hélio: Sensibilidade política e social. É isso que me vem à mente quando penso em Roberto Pelegrini e o porquê de eu estar aqui – diz com determinação.

 

 

Antonio Alencar, Coordenador político.

 

Antonio também não se sentia confortável em falar para uma câmera.

 

Antonio: Vamos logo?

 

Lílian concorda com a cabeça.

 

Antonio: Como tem que ser?

 

Lílian: Como quiser. Apenas seja breve e verdadeiro.

 

Antonio avalia por uns instantes, antes falar convicto.

 

Antonio: Um garoto determinado que se tornou um homem confiável – olha para Lílian – Tá bom? – ela confirma com a cabeça.

 

 

Charles Lima, Motorista.

 

Charles: Melhor chefe que já tive – fala, abrindo um sorriso – Honrado e engraçado.

 

 

Ernesto Paiva, Chefe de Campanha.

 

Ernesto: Minha versão melhorada. Na verdade, eu sou uma versão melhorada dele. Votem em mim – brinca – Não, não grava isso. Vou fazer direito.

 

Ernesto encara a câmera e pensa um pouco.

 

Ernesto: Votaria nele mesmo que não fosse um grande amigo – diz, e olha para Lílian, sem jeito – Também não ficou legal, né? Muito pessoal… Vazio…

 

Lílian: Tá ótimo.

 

Ernesto: Não, deixa eu fazer de novo.

 

Lílian: Ok.

 

Ernesto: Agora é sério. Pra valer. – faz uma pausa, olha para cima e depois volta a olhar a câmera – Um bom homem, com boas ideias, querendo fazer a diferença – fala e ri em seguida, envergonhado – Desisto, não levo jeito para isso. Deixem apenas Pelegrini ser Pelegrini e vocês não vão se arrepender.

 

 

Duda Muniz, Figurinista.

 

Duda: Tem bom senso… E não só para moda – ela diverte-se, jogando o cabelo de um lado para o outro.

 

 

Bárbara Pontes, Secretária.

 

Bárbara: Lindão – fala de supetão.

 

Lílian: Ok, sério agora – balança a cabeça, parecia se divertir com aquilo.

 

Bárbara: Ele não é um homem só de retórica, ele é um homem de ação – faz uma pausa – Esse ação não tem uma conotação sexual, viu?

 

Lílian: Por favor, ele é meu irmão. E mais: ele é seu chefe, candidato a governador e praticamente um homem casado.

 

Bárbara: Ninguém é perfeito.

 

Depois de finalizar a gravação com Bárbara, Lílian se aproxima de Gregório.

 

Lílian: Por hoje é só.

 

Gregório: Você não vai gravar seu depoimento?

 

Lílian reage como se aquilo fosse um absurdo.

 

Gregório: Ué, por que não?

 

Lílian: Ele é meu irmão.

 

Gregório: Mas você também trabalha para ele.

 

Lílian: Com ele.

 

Gregório: E? Senta aí e manda ver. Se não ficar legal ou apropriado, você corta. – Lílian ainda estava em dúvida – Vamos lá, é rápido e indolor.

 

Lílian revira os olhos, mas senta-se de frente para câmera.

 

Lílian: Isso é ridículo e estranho.

 

Gregório: O quê? A campanha? O Roberto? Seja mais específica.

 

Lílian ri.

 

Lílian: Não… Ele é… – respira fundo – Ele é meu telefone de emergência. Qualquer coisa que eu precise, sei que posso contar com ele. Ele é essa certeza, essa segurança, essa força, que você sempre pode recorrer. Sempre.

Anúncios

2 Respostas to “Entreatos”

  1. Natie Says:

    Ei pessoal!! =D Saudades daqui e estou mega ansiosa pelo 1º epi da proxima temporada!

    Arrasou no miniepisodio Sam! Ar total The West Wing com a equipe do Roberto reunida e bolando estratégias de campanha no maior clima família… E foi legal ver os personagens que não são os principais interagindo…

    Ah, e “Deixem apenas Pelegrini ser Pelegrini”? Da onde eu lembro disso mesmo? rsrs… Demais! =D

    Bjs…

    1. Samara Says:

      Ahá, Natie, esse “Deixem apenas Pelegrini ser Pelegrini” foi um plágio total de The West Wing, confesso,rs

      Eu bem que queria que tivesse essa vibe The West Wing, tomo como um elogio, mas não sei, você achou mesmo que teve?

      E faltam só 15 dias para estréia 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s